terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A paz com Deus


Aos Romanos 5:1
"Sendo pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo;"

I
No texto escolhido para a exposição, Deus, através do apóstolo Paulo, nos ensina verdades importantíssimas para a nossa vida. E verá o leitor, talvez com desgosto, talvez com prazer, mas com certeza com proveito, como a fé é séria, a justificação necessária e a paz imprescindível.

Após dissertar sobre a ira de Deus, a impenitência dos judeus e a justificação pela fé, Paulo nos afirma, concluindo, no capítulo 5 da carta Aos Romanos, versículo 1, que o ser humano é justificado pela fé. Daí nós podemos tirar dois ensinamentos imprescindíveis e totalmente necessários.

Em primeiro lugar, todos quantos creram em Jesus Cristo são justificados. Isso implica no fato de que antes da fé, essas mesmas pessoas eram injustas, não cumprindo, portanto, a lei e estando todas sujeitas às punições consequentes. Os homens, antes da fé, eram injustos e voluntariamente praticavam as coisas opostas à lei, merecendo como qualquer criminoso as punições cabíveis, que, no caso da lei de Deus, convergem para uma só pena: a morte. Entretanto, os homens que creram foram justificados, tendo, pois, toda a sua condenação, a sua pena de morte, aniquilada.

Em segundo lugar, essa justificação é pela fé. A fé não é material, é invisível e espiritual, nascida no interior mais profundo do indivíduo. A fé não é obra, nem o que eu faço, de modo que podemos destacar um grande ensinamento bíblico para nós: nós não cremos porque somos justificados, mas somos justificados porque cremos. Entre uma e outra idéia vão uma distância e uma diferença muito grandes. Se cremos porque somos justificados, a nossa justiça vem antes da fé e, assim, alcançamos a salvação de nossas vidas pelas obras de justiça que houvéramos praticado. Mas a Bíblia não nos diz isso. Pelo contrário, ela nos afirma que somos justificados porque cremos: a fé veio antes da justificação e não foi, portanto, pelas nossas boas obras que fomos salvos, mas unicamente por Deus, porquanto até mesmo a fé vem de Deus. Somos justificados porque cremos e cremos porque ouvimos a Palavra de Deus. Dessa maneira, foi Deus quem produziu em nós a fé, por isso cremos, por isso somos justificados.

Outra verdade que Paulo afirma é que, portanto, temos paz com Deus. Nós não apenas estamos em paz, porque estar pode ser passageiro, mas nós temos e, logo, possuímos a paz perpétua com Deus. E o que é paz senão a ausência de conflito e a inexistência de guerra entre uma parte e outra? Ter paz com Deus significa não ter entre mim e Deus nenhum conflito e nenhuma guerra. Tudo está certo agora. Mas ter paz agora significa que antes da fé nós vivíamos em conflito e em guerra com Deus. Como dois exércitos que se enfrentam, nós estávamos do lado oposto a Deus, éramos seus inimigos e a nossa face estava voltada contra o Senhor Supremo do universo e o Todo Poderoso Rei. Lutávamos contra o próprio Deus e tínhamos toda a sua ira contra nós, pronta para desabar sobre nossos corpos. Mas agora estamos do lado de Deus, tendo paz com Ele; e por quê? "por nosso Senhor Jesus Cristo" Paulo diz.

Jesus Cristo levou sobre si todas as nossas iniquidades, todos os nossos pecados e todas as nossas enfermidades; o castigo que era para nós Ele levou sobre si e foi moído por causa dos nossos erros. Isso significa que toda a ira de Deus, que nos esmagaria, foi descarregada sobre o seu próprio Filho para que nós sobrevivêssemos. Ninguém além de Jesus poderia tomar essa atitude, ninguém senão Jesus era capaz de nos tornar amigos de Deus, aplacando o ardor da condenação e desfazendo-a. Cristo foi punido em nosso lugar, mesmo sem ter pecado nenhum. E para quem acha que o Pai tomou uma atitude muito terrível para com o Filho, o próprio Jesus se ofereceu e cumpriu amorosamente todo o propósito de Deus. Assim, porque Cristo Jesus foi dilacerado em nosso lugar, temos paz com Deus e somos justificados pela fé em Jesus Cristo.

II
Se eu terminasse por aqui, a mensagem transmitida poderia parecer simplesmente um sermão bonito e uma história de grande valor literário. Mas para que se levante os olhos desses pensamentos pequeninos e se enxergue as reflexões grandiosas desses termos bíblicos para a inteligência nossa, façamos logo uma aplicação.

Quem não é justificado pela fé não tem paz com Deus. Quem não tem paz está em guerra. Quem está em guerra com Deus tem toda a Sua esmagadora ira sobre si. Quem está sob a ira de Deus está sujeito ao inferno e quem está sujeito ao inferno e não passa a crer em Jesus Cristo vai para o inferno. É necessário crer em tudo o que a Bíblia diz que Jesus é e em tudo o que ela afirma que Jesus fez. Quem despreza isso rejeita duplamente, porque trata com desprezo o próprio Deus e o penoso sacrifício de Jesus Cristo. Se a pena dos crimes deve ser proporcional aos mesmos, sendo o juiz, qual sentença você daria para aquele que despreza o próprio Deus e todo o seu amor?

Até o fim da primeira parte, esta mensagem poderia parecer simplesmente bonita, agora ela exige uma atitude tua. Como ouvi uma vez, é melhor que o pecador saia triste com o seu pecado do que alegre com o pregador. Se você crer em Jesus Cristo, será justificado e terá paz com Deus; se não crer, permanecerá injusto e seguirá em guerra contra o Deus Todo Poderoso, pela tua própria escolha. Portanto, quero que você reflita seriamente sobre o que foi dito; e escolha a paz.

2 comentários:

Geovani Figueiredo dos Santos disse...

Graça e Paz,Rouver!

Atentando para o que escrevestes nestas tuas páginas abençoadas, gostaria de tecer algumas considerações sobre o texto em apreço. Em primeiro lugar, a justificação torna justos aqueles que outrora viviam no pecado, facultando-lhes a graça da salvação. Tendo sido justificados, já não lhes imputa Deus culpabilidade, uma vez que foram satisfeitas as exigências divinas acerca do pecado. Paulo declara: "Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz" (Cl 2.14). Por isso, Paulo também afirma que ele "fez paz pelo sangue da cruz" ( Cl 1.20).

Em segundo lugar, a justificação e o processo que se dá a partir do momento em que somos perdoados por Cristo e aceitos como seus filhos adotivos. Uma vez inseridos nesta filiação gozamos da paz com Deus como Paulo mesmo assevera no versículo basilar desta reflexão em Romanos 5.1.

Fique com Deus Rouver e parabéns pelo Versalvo. Está um primor.Felicidades!

Rouver Júnior disse...

Olá, Geovani.
A paz de Cristo.

Estou escrevendo um poema que pretendo colocar no Versalvo. Há algum tempo que não posto nada por lá. Mas não quero demorar muito.

Concordo com o que você disse sobre o texto "A paz com Deus", mas quero só fazer uma explicitação: se a pessoa rejeita o sacrifício de Jesus e, logo, o próprio Cristo, ela permanece debaixo da ira de Deus. Deus oferece a justificação pela fé, mas se o indivíduo a rejeita, não há justificação para ele. Se ele crer em Cristo, será justificado, se não, permanecerá em guerra contra Deus.

Então, é isso.

Muito obrigado pela participação.

A paz de Cristo Jesus.